Direita, falhar, marche. Como se digere o fracasso? Há uma ordem unida psicológica?
Preocupo-me mais quando são personalidades bipolares ou quando existe uma fraqueza associada: um problema de saúde, uma perda recente etc. Isto porque vejo o fracasso como uma falange que nos sitia. A guerra é inevitável, a logística essencial.
Quando falhamos,  perdemos meios  e territórios. A primeira tarefa é incluir o fracasso na ordem natural das coisas. A segunda é recuperar o moral. Há gente que não consegue a primeira ( não aceita), há gente que não sabe fazer a segunda.
Aceitar o fracasso não significa aceitar  o que fizemos para fracassar. Significa aceitar que,  tudo considerado – as nossas acções, as dos outros, o ambiente-, o resultado não podia ser outro. A inteligência não serve só para tirar boas notas ou defender teses académicas. Acima de tudo, a inteligência é uma ferramenta para compreender.
Recuperar é recuar. Entender que, como estamos  e decidimos, não somos suficientemente fortes. Recuar para o porto que conhecemos bem ( Séneca) , restaurar o cordame e os instrumentos de  navegação. Visitar amores, comer, beber e dormir. Sonhar.
Se somos  depressivos, o fracasso é visto como natural. Se somos bipolares, o fracasso é inaceitável (na fase maníaca), se não temos amor-próprio ( os psis dão-lhe o nome de auto-confiança), ficamos cheios de pena de nós.

Depressão Colectiva

Advertisements