As mãos

Côncavas de ter

Longas de desejo

Frescas de abandono

Consumidas de espanto

Inquietas de tocar e não prender.


Sophia de Mello Breyner Andresen

Advertisements