não temos nome somos apenas
objectos que respiram

quando o tempo não se gasta com a respiração
envelhece com os instantes guardados no fundo das gavetas

enumeramos solidões onde o corpo se torna lento
e a pouco e pouco atravessamos outonos sem precisar de mapas

maria sousa

Advertisements