O importante era mesmo

isso: não ver nada.

Acreditar na água;

saber que ela estava ali,

límpida, intensa, viva.

Por pouco tempo, como nós.

[Manuel de Freitas]

Advertisements